THE LENI RIEFENSTAHL OF THE OPRESSED

The most celebrated contemporary filmmaker, the Korean American Brazilian Iara Lee, author of two independent documentaries: Synthetic Pleasures (1995) and Modulations (1998), and half a dozen of more obscure short movies, went to UN headquarters in New York to show images of the video that she edited of the Israeli attack on the pirate ship Mavi Marmara legitimately intercepted while trying to break through the Israeli blockade that prevents the transport of weapons into Gaza.

This is not an useful innocent used by terrorists, but as Leni Riefenstahl, a free artist engaged in a cause: in 2003, Iara Lee was deported from the border with Jordan, where she was agitating. In 2004 she was arrested in Tel Aviv, where she was still agitating, and deported. In 2006, living and stirring in Lebanon, she was again arrested and deported from Israel. Now stirring in the Mavi Marmara, Iara was deported from Israel for the fourth time… “I work with the Palestinians in na incipient way”, she told to Terra: imagine if she worked in a non-incipient way (whatever she means with it).

The activist Audrey Bromso also told the Turk CNN that the boats carried more than humanitarian aid – permitted by Israel. The “Freedom Flotilla”, according to her testimony, would take prefabricated houses and cement, which she called reconstruction aid. It is widely known that Israel denies the entry of cement in Gaza to prevent the construction of tunnels for smuggling weapons. With this ban they managed so far to prevent attacks on Israeli population, on a truce with the Palestinians, who the pacifists want to break by ending the blockade.

Engaged in this pacifist cause, impatient for a new outbreak of war between Israelis and Palestinians, Iara Lee showed the UN her edition of 60 minutes of 90 minutes of the footage recorded inside the boat by a Serbian filmmaker, who, despite of having done all the work, remains without credit – but Leni Riefenstahl did the same, taking as his the work of dozens of cameramen hired by his production company.

The scenes show activists with vests and gas masks praying to Allah and preparing for a confrontation with Jewish soldiers. A squad of fanatics communicators, equipped with computers and last generation cameras (remember that Iara Lee evaluated her equipment lost in 150 thousand dollars) broadcast worldwide the most hellish Palestinian propaganda. When the Israeli ships arrive, they hear gunshots.

Traces of blood seep through the wall from upstairs to the bottom where the cameraman does, securilly, his daring records. A helicopter flies over the boat. The brave crew, in the most pathetic picture of the history of cultures of resistance, launch against the Israeli helicopter some boulders with their slingshots.The helicopter departs from this Intifada. Victory? No, the wounded are brought down. Soldiers run and scream while the boat’s alarm honks. The activists were arrested, but that the video can no longer register.

For some reason, Iara Lee editing suppresses from the called crude material (but well selected) the lynchings of the early Jewish soldiers who came down to the boat. The events recorded in her trick editing took place after those attacks. The video shows only the arrival of reinforcement to those first Jewish soldiers. Neither shows the confrontation between armed pacifists and the soldiers, which resulted in nine deaths and dozens injured. She admitted: “I just have a general, I have no close-ups of the guys killing us.”. That statement she made, of course, shortly after she was murdered.

Impossible to know whether the material removed from the editing of Iara Lee had records of the actions of a lynch mob who beat and stabbed those first soldiers. In this case, she did not have to do as Reuters, which suppressed from the Turkish photos, with a Photoshop program, the bloodstains of the Jewish soldier stabbed and the hunting knife handled by a humanitarian pacifist from Mavi Marmara: it was sufficed erase half hour of recorded images from her footage.

As Israeli troops were greeted by gunfire (the stolen guns from the first soldiers that they succeeded in toppling with punches, kicks, beatings and blows from iron bars), hovers the question of the origin of the shots. The images neither clarify who owns the blood that drips from the wall: if from the activists who fired the soldiers or the Israeli wounded soldiers – one with six bullets in the chest.

Thus, the votes of Iara Lee that her material can be useful to UN conduct an international investigation and to her lawyers from the NGO Cultures of Resistance prosecute those responsible for the attack seems futile. She will have more success with her new pacifist project: to organize from Brazil a new boat, only with Brazilians, to integrate international humanitarian new fleet, with 50 ships now heading for Gaza suicide. One Mavi Marmara wasn’t enough: now 50 boats from hell!

In Lesson, Roland Barthes wrote: “The modern ‘innocence’ speaks about power as if it were one: on one hand, those who have, on the other, those who do not have. We believed that power was an exemplary political object, now we believe it is also an object of ideology, it is insinuated at places where not listened at first, in institutions, in teaching, but in short it is always one. And yet, if the power is plural, as the demons? ‘My name is Legion’, he would say: everywhere, on all sides, heads, devices, massive or tiny, groups of oppression or pressure: everywhere, “authorized” voices which allowed itself to make hear the speech of all power: the speech of arrogance.”

Always stirring in sake of peace and justice, always using a different country as a base, always floating on the surface, Iara Lee is really cunning and nimble: “I was born in Brazil, lived in the United States, Tunisia, Lebanon, Korea, Paris. Every year I try to use a different country as a base in order to understand a little the world in a more direct way. Through the Foundation “Caipirinha” [her production in the U.S.], I use creativity to promote peace and justice.”

Enchanted with the Hamas leadership, Iara Lee assumed, in the struggle of the oppressed people of Gaza, her fate as an official Nazi Left filmmaker: from Now, Voyager* she was promoted to the organizer of the Brazilian boat for the Legion. After the war that the pacifists prepared with their activism, Iara Lee will say, in the manner of Leni Riefenstahl, to those who accuse her of compromising herself with terrorists, that she has always been apolitical, that she didn’t know anything, that she never understood a word of Arabic, that she was only an innocent artist.

* Now, Voyager (EUA, 1942), by Irving Rapper, with Bette Davis. A woman leaves the Hospice to remake herself embarking on a journey by ship. Romantic, she falls in love with another passenger – a married man. During the trip she – seen as ugly – become beautiful and desirable, living the adventure of her life.

by LUIZ NAZARIO. Translation: FERNANDA DA ROZ *

* FERNANDA DA ROZ é uma artista da fotografia, que  busca pontos de vista inesperados do cotidiano e de seu próprio corpo: seus retratos e auto-retratos são de uma beleza intensa e delicada. Vale a pena passear por sua rica galeria no Flickr – com mais de mil uploads! Em defesa instintiva e visceral de Israel, Fernanda Da Roz acabou descobrindo este blog, divulgando-o em seus espaços virtuais – onde agora nos resta combater na solidão contra os moinhos de vento da propaganda…

A LENI RIEFENSTHAL DOS OPRIMIDOS

A mais célebre cineasta contemporânea, a brasileira coreana norte-americana Iara Lee, autora de dois documentários independentes: Synthetic Pleasures (1995) e Modulations (1998), e de meia dúzia de curtas mais obscuros, foi à sede da ONU, em Nova York, mostrar as imagens do vídeo que editou sobre o ataque israelense ao barco pirata Mavi Marmara, legitimamente interceptado ao tentar furar o bloqueio israelense que impede o transporte de armas para Gaza.

Não se trata de uma inocente útil usada por terroristas, mas, como Leni Riefenstahl, de uma artista livre engajada numa causa: em 2003, Iara Lee foi deportada da fronteira com a Jordânia, onde agitava. Em 2004, foi detida em Tel Aviv, onde agitava, e deportada. Em 2006, morando e agitando no Líbano, foi outra vez presa e deportada de Israel. Ao agitar agora na Mavi Marmara, Iara foi deportada de Israel pela quarta vez…  “Trabalho com os palestinos de forma incipiente”, ela declarou ao Terra: imaginem se trabalhasse de forma não-incipiente (seja lá o que ela queira dizer com isso).

A ativista Audrey Bromso também declarou à CNN turca que os barcos levavam mais que ajuda humanitária – permitida por Israel. A “Flotilha da Liberdade” levaria, segundo seu depoimento, casas pré-fabricadas e cimento, que ela chamou de ajuda de reconstrução. Ora, é largamente sabido que Israel proíbe a entrada de cimento na Faixa de Gaza para evitar a construção de túneis de contrabando de armas. Com essa proibição conseguiu evitar até agora ataques à população israelense, numa trégua com os palestinos, que os pacifistas desejam romper com o fim do bloqueio.

Engajada nessa causa pacifista, impaciente pela eclosão de uma nova guerra entre israelenses e palestinos, Iara Lee mostrou à ONU sua edição de 60 minutos dos 90 minutos de imagens gravadas dentro do barco por um cinegrafista sérvio, que, apesar de ter feito todo o trabalho, permanece sem crédito – mas Leni Riefenstahl fazia o mesmo, assumindo como seu o trabalho de dezenas de cinegrafistas contratados por sua produtora.

As cenas mostram ativistas com coletes e máscaras contra gás rezando a Alá e preparando-se para um confronto com soldados judeus. Um esquadrão de comunicadores fanáticos, equipados com computadores e câmaras de última geração – não custa lembrar que Iara Lee avaliou seu equipamento perdido em 15o mil dólares – transmitem mundo afora a mais infernal propaganda palestina. Quando os barcos israelenses chegam, ouvem-se tiros.

Rastros de sangue escorrem pela parede do andar de cima para o de baixo, onde o cinegrafista faz, de modo seguro, seus ousados registros. Um helicóptero sobrevoa a embarcação. Os corajosos tripulantes, na mais patética imagem de toda a história das culturas de resistência, lançam, contra o helicóptero israelense, uns pedregulhos com seus estilingues. O helicóptero se afasta dessa Intifada. Vitória? Não, feridos são trazidos para baixo. Soldados correm e gritam, enquanto o alarme do barco dispara. Os ativistas acabaram presos, mas isso o vídeo já não pode registrar.

Por alguma razão, a edição de Iara Lee suprime desse chamado material bruto (mas bem selecionado) os linchamentos dos primeiros soldados judeus que desceram ao barco. Os eventos registrados na sua edição capciosa decorreram após aquelas agressões. O vídeo mostra apenas a chegada do reforço  àqueles primeiros soldados judeus. Tampouco mostra o confronto entre os pacifistas armados e os soldados, que resultou em 9 mortes e dezenas de feridos. Ela mesma admitiu: “Eu só tenho uma geral, não tenho os close-ups dos caras assassinando a gente.”. Essa declaração ela fez, evidentemente, pouco depois de ter sido assassinada.

Impossível saber se no material suprimido da edição de Iara Lee havia registros das ações dos linchadores que espancaram e esfaquearam aqueles primeiros soldados. Neste caso, ela não precisou fazer como a Reuters, que suprimiu das fotos turcas, com um programa de Photoshop, as manchas de sangue do soldado judeu esfaqueado, assim como a faca de caça segurada por um dos pacifistas humanitários da Mavi Marmara: bastou a Iara suprimir de sua edição meia hora de imagens gravadas.

Como os soldados israelenses foram recebidos a tiros (dos revólveres roubados aos primeiros soldados que eles conseguiram derrubar com socos, pontapés, pauladas e golpes de barras de ferro), paira a dúvida sobre a origem dos disparos. As imagens tampouco esclarecem a quem pertence o sangue que escorre da parede: se dos ativistas que atiravam nos soldados ou dos soldados israelenses feridos – um deles com seis tiros no peito.

Assim, os votos de Iara Lee de que seu material sirva para a ONU conduzir uma investigação internacional e para seus advogados da ONG Cultures of Resistence processarem os responsáveis pelo ataque parecem vãos. Mais sucesso ela terá com seu novo projeto pacifista: organizar a partir do Brasil um novo barco, só com brasileiros, para integrar nova frota humanitária internacional, agora com 50 naves suicidas rumo a Gaza. Não bastou um Mavi Marmara: agora serão 50 barcos do inferno!

Em sua Aula, Roland Barthes escreveu:

A ‘inocência’ moderna fala do poder como se ele fosse um: de um lado, aqueles que o têm, de outro, os que não o têm; acreditamos que o poder fosse um objeto exemplarmente político; acreditamos agora que é também um objeto ideológico, que ele se insinua nos lugares onde não o ouvíamos de início, nas instituições, nos ensinos, mas em suma que ele é sempre uno. No entanto, e se o poder fosse plural, como os demônios? ‘Meu nome é Legião’, poderia ele dizer: por toda parte, de todos os lados, chefes, aparelhos, maciços ou minúsculos, grupos de opressão ou de pressão: por toda parte, vozes “autorizadas”, que se autorizam a fazer ouvir o discurso de todo poder: o discurso da arrogância.

Sempre agitando em nome da paz e da justiça, sempre usando um país diferente como base, sempre boiando na superfície, Iara Lee é mesmo um azougue:

Eu nasci no Brasil, morei nos Estados Unidos, na Tunísia, no Líbano, na Coreia, em Paris. A cada ano eu tento usar um país diferente como base, para poder entender um pouco o mundo de uma maneira mais direta. Através da Fundação Caipirinha [sua produtora nos EUA], eu uso a criatividade para promover a paz e a justiça.

Encantada com a liderança do  Hamas, Iara Lee assumiu, na luta dos oprimidos de Gaza, seu destino de cineasta oficial da Esquerda Nazista: de estranha passageira*, foi promovida a organizadora do barco brasileiro da Legião. Depois da guerra que os pacifistas preparam com seu ativismo, Iara Lee dirá, à maneira de Leni Riefenstahl, aos que a acusarem pelos seus compromissos com terroristas, que sempre foi apolítica, que não sabia de nada, que não entendia uma palavra de árabe, que era uma artista inocente.

* Now, Voyager (A estranha passageira, EUA, 1942). Direção: Irving Rapper. Com Bette Davis. Uma mulher (Davis) sai do hospício para refazer-se empreendendo uma viagem de navio. Romântica, apaixona-se por outro passageiro – um homem casado. Durante a viagem ela – tida por feiosa – torna-se bela e desejada, vivendo a aventura de sua vida.

NOVA RODADA DE AÇOITES MUNDIAIS NO LOMBO DE ISRAEL

O mundo não se cansa de açoitar Israel. O lombo do Estado Judeu já está bem calejado. Cercado de inimigos por todos os lados, Israel conseguiu sair vitorioso de todas as guerras que lhe moveram os países árabes. Mas os palestinos envolvem, cada vez mais, o mundo nessa guerra. Eles desejam que todos tomem parte das rodadas de açoites e apedrejamentos que organizam contra Israel, numa Grande Intifada Planetária. Os idiotas úteis que aderem à causa são os mesmos que vêem o mundo com um único olho, o da esquerda. Trata-se de um olho cego, tomado pela catarata com a queda do Muro de Berlim, o fim da URSS e a extinção progressiva dos regimes comunistas. A esquerda apodrecida só revive como os mortos-vivos: defendendo causas totalitárias.

Claro que Israel cometeu mais um erro ao abordar a “Mavi Marmara”, a “Flotilha da Liberdade” (sic), um grupo de seis navios que transportava, sem autorização nem controle, mais de 750 pessoas e 10 mil toneladas de “ajuda humanitária” (sic) para os terroristas do Hamas que assaltaram Gaza:

Para quê abordar essa “Flotilha da Liberdade”? A operação parecia destinada desde o início ao fracasso: meia dúzia de soldadinhos não iria “parar” centenas de fanáticos islamitas, entoando cânticos antissemitas de guerra, determinados a matar e morrer como mártires pela causa insana da Insani Yardim Vakfi (a ONG terrorista que organizou a expedição selvagem). Pela enormidade da operação, percebe-se que ainda corre muito dinheiro pelo mundo no apoio ao terror. Israel devia ter simplesmente afundado a “Flotilha da Liberdade”.

Mas entre os tripulantes da “Flotilha da Liberdade” havia militantes dos quatro cantos do mundo, inocentes úteis como a brasileira Iara Lee, que conheci nos festivais de Leon Cakoff: eles formavam um casal muito ativo mundo afora, na seleção das inúmeras porcarias que exibiam, entre um que outro bom filme, na Mostra Internacional de Cinema. E ai dos críticos que não elogiassem as porcarias: eram punidos com a retirada de suas permanentes e dos eventuais convites para macarronadas! Parece que Iara, agora envolvida em causas sociais, embarcou, com seu passaporte norte-americano, na canoa furada dos palestinos. Será devidamente deportada de Israel e recebida com honras pelos entusiastas da Mostra…

Parece que em 5 dos 6 navios abordados a operação foi bem sucedida, não tendo ocorrido violência. Mas ao abordarem o sexto barco, tripulado por cerca de 600 árabes fanatizados os soldados foram recebidos pelos pacifistas humanitários com todo o respeito, isto é, a golpes de faca, cassetete, barra de metal, lançamento de cadeiras e coquetéis molotov, bombas de gás, chutes, pontapés e balas, em verdadeiros linchamentos humanitários e pacíficos. Cada soldado que descia era cercado e linchado de forma humanitária e pacífica:

Um soldado israelense foi esfaqueado por um pacifista humanitário e quando dois pacifistas humanitários apossaram-se de duas armas dos soldados e abriram fogo, os demais reagiram em legítima defesa. No tiroteio que então se seguiu, 9 terroristas foram mortos e mais de 30 saíram feridos. Do lado israelense, 7 soldados foram feridos, dois deles gravemente. Países árabes bradaram aos céus contra o que definiram de “massacre” e “assassinato de Estado”. Nenhuma palavra nas mídias sobre a ilegalidade da “Flotilha da Liberdade”, sobre as (inexistentes) tentativas da ONU de impedir a operação de guerra dos pacifistas humanitários, sobre as agressões violentas aos soldados israelenses que, mais uma vez, foram obrigados a agir sozinhos contra o mundo inteiro cúmplice do terror. Imediatamente, os Estados aliados do terror – em primeiro lugar o Irã, seguido de países europeus e latino-americanos solidários (Venezuela, Brasil, Bolívia) apoiaram as mais vigorosas chicotadas morais contra Israel.

O Embaixador de Israel no Brasil, Giora Becher, foi convocado pelo governo brasileiro para “dar explicações”. Ele esclareceu o caso à embaixadora Vera Lúcia Barrouin Crivano Machado: os soldados embarcaram sem empunhar suas armas, mas foram atacados pelos “pacifistas” e reagiram em legítima defesa. Indiferente aos esclarecimentos, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil continuou a categorizar a flotilha como “humanitária” e “pacifista”: Não há justificativa para intervenção militar em comboio pacífico, de caráter estritamente humanitário”. Em resposta, o Embaixador de Israel reafirmou que a flotilha tinha o objetivo político de apoiar o regime ilegal e terrorista do Hamas em Gaza, inexistindo ali crise humanitária: todo tipo de ajuda ingressa diariamente na região.

Israel oferecera aos organizadores da flotilha a alternativa de seguirem para o porto de Ashdod, onde os suprimentos de ajuda humanitária seguiriam para Gaza por via terrestre. Os organizadores não aceitaram. Os organizadores rejeitaram também realizar a entrega dos materiais através dos canais apropriados da ONU e da Cruz Vermelha. O grupo afirmou repetidas vezes que a intenção era romper o bloqueio marítimo em Gaza.

Levando em consideração o terror imposto pelo Hamas, o bloqueio realizado não apenas por Israel, mas também pelo Egito, é legal e justificado, como esclarece o documento The Gaza flotilla and the maritime blockade of Gaza – Legal background. Porque apenas Israel é acusado de fechar as fronteiras com Gaza? Porque o Egito mantém suas fronteiras com Gaza igualmente fechadas? Permitir uma “Flotilha da Liberdade” entrando ilegalmente em Gaza abriria um corredor de contrabando de armas e terroristas, com disseminação de violência em toda a área. Após os repetidos avisos aos organizadores de que não seria permitido romper o bloqueio, e seguindo a lei marítima, Israel impôs seu direito. Os membros da flotilha não atenderam as propostas israelenses nem aceitaram a solicitação das FDI, antes da abordagem, de que a flotilha os acompanhasse encerrando o evento de forma pacífica.

Como sempre, a máquina de propaganda palestina ganhou um novo tento. Uma Intifada desencadeou-se em Paris: uns 1200 manifestantes com bandeiras palestinas lançaram pedras contra a embaixada de Israel, na Avenida Champs-Elysées, gritando slogans antissionistas. As manifestações foram convocadas por grupos pró-palestinos, com a participação do Partido Comunista e do Partido Verde. Milhares de pessoas saíram em protesto em Estrasburgo, Lille, Marselha, Lyon, Toulouse. Em Madri, cerca de 600 manifestantes reuniram-se em frente ao Ministério de Assuntos Exteriores, com a participação do coordenador geral da coalizão Esquerda Unida, Cayo Lara, e do presidente da Associação Cultura, Paz e Solidariedade, Manuel Espinar, cujo filho embarcara na “Flotilha da Liberdade”, pedindo solidariedade para com o povo palestino. Em Valência, a concentração foi convocada pela Rede de Solidariedade com a Palestina. Centenas de pessoas se manifestaram em Sevilha, em apoio ao povo palestino… E assim o mundo vai virando um inferno, infestado de jihadistas.