THE LENI RIEFENSTAHL OF THE OPRESSED

The most celebrated contemporary filmmaker, the Korean American Brazilian Iara Lee, author of two independent documentaries: Synthetic Pleasures (1995) and Modulations (1998), and half a dozen of more obscure short movies, went to UN headquarters in New York to show images of the video that she edited of the Israeli attack on the pirate ship Mavi Marmara legitimately intercepted while trying to break through the Israeli blockade that prevents the transport of weapons into Gaza.

This is not an useful innocent used by terrorists, but as Leni Riefenstahl, a free artist engaged in a cause: in 2003, Iara Lee was deported from the border with Jordan, where she was agitating. In 2004 she was arrested in Tel Aviv, where she was still agitating, and deported. In 2006, living and stirring in Lebanon, she was again arrested and deported from Israel. Now stirring in the Mavi Marmara, Iara was deported from Israel for the fourth time… “I work with the Palestinians in na incipient way”, she told to Terra: imagine if she worked in a non-incipient way (whatever she means with it).

The activist Audrey Bromso also told the Turk CNN that the boats carried more than humanitarian aid – permitted by Israel. The “Freedom Flotilla”, according to her testimony, would take prefabricated houses and cement, which she called reconstruction aid. It is widely known that Israel denies the entry of cement in Gaza to prevent the construction of tunnels for smuggling weapons. With this ban they managed so far to prevent attacks on Israeli population, on a truce with the Palestinians, who the pacifists want to break by ending the blockade.

Engaged in this pacifist cause, impatient for a new outbreak of war between Israelis and Palestinians, Iara Lee showed the UN her edition of 60 minutes of 90 minutes of the footage recorded inside the boat by a Serbian filmmaker, who, despite of having done all the work, remains without credit – but Leni Riefenstahl did the same, taking as his the work of dozens of cameramen hired by his production company.

The scenes show activists with vests and gas masks praying to Allah and preparing for a confrontation with Jewish soldiers. A squad of fanatics communicators, equipped with computers and last generation cameras (remember that Iara Lee evaluated her equipment lost in 150 thousand dollars) broadcast worldwide the most hellish Palestinian propaganda. When the Israeli ships arrive, they hear gunshots.

Traces of blood seep through the wall from upstairs to the bottom where the cameraman does, securilly, his daring records. A helicopter flies over the boat. The brave crew, in the most pathetic picture of the history of cultures of resistance, launch against the Israeli helicopter some boulders with their slingshots.The helicopter departs from this Intifada. Victory? No, the wounded are brought down. Soldiers run and scream while the boat’s alarm honks. The activists were arrested, but that the video can no longer register.

For some reason, Iara Lee editing suppresses from the called crude material (but well selected) the lynchings of the early Jewish soldiers who came down to the boat. The events recorded in her trick editing took place after those attacks. The video shows only the arrival of reinforcement to those first Jewish soldiers. Neither shows the confrontation between armed pacifists and the soldiers, which resulted in nine deaths and dozens injured. She admitted: “I just have a general, I have no close-ups of the guys killing us.”. That statement she made, of course, shortly after she was murdered.

Impossible to know whether the material removed from the editing of Iara Lee had records of the actions of a lynch mob who beat and stabbed those first soldiers. In this case, she did not have to do as Reuters, which suppressed from the Turkish photos, with a Photoshop program, the bloodstains of the Jewish soldier stabbed and the hunting knife handled by a humanitarian pacifist from Mavi Marmara: it was sufficed erase half hour of recorded images from her footage.

As Israeli troops were greeted by gunfire (the stolen guns from the first soldiers that they succeeded in toppling with punches, kicks, beatings and blows from iron bars), hovers the question of the origin of the shots. The images neither clarify who owns the blood that drips from the wall: if from the activists who fired the soldiers or the Israeli wounded soldiers – one with six bullets in the chest.

Thus, the votes of Iara Lee that her material can be useful to UN conduct an international investigation and to her lawyers from the NGO Cultures of Resistance prosecute those responsible for the attack seems futile. She will have more success with her new pacifist project: to organize from Brazil a new boat, only with Brazilians, to integrate international humanitarian new fleet, with 50 ships now heading for Gaza suicide. One Mavi Marmara wasn’t enough: now 50 boats from hell!

In Lesson, Roland Barthes wrote: “The modern ‘innocence’ speaks about power as if it were one: on one hand, those who have, on the other, those who do not have. We believed that power was an exemplary political object, now we believe it is also an object of ideology, it is insinuated at places where not listened at first, in institutions, in teaching, but in short it is always one. And yet, if the power is plural, as the demons? ‘My name is Legion’, he would say: everywhere, on all sides, heads, devices, massive or tiny, groups of oppression or pressure: everywhere, “authorized” voices which allowed itself to make hear the speech of all power: the speech of arrogance.”

Always stirring in sake of peace and justice, always using a different country as a base, always floating on the surface, Iara Lee is really cunning and nimble: “I was born in Brazil, lived in the United States, Tunisia, Lebanon, Korea, Paris. Every year I try to use a different country as a base in order to understand a little the world in a more direct way. Through the Foundation “Caipirinha” [her production in the U.S.], I use creativity to promote peace and justice.”

Enchanted with the Hamas leadership, Iara Lee assumed, in the struggle of the oppressed people of Gaza, her fate as an official Nazi Left filmmaker: from Now, Voyager* she was promoted to the organizer of the Brazilian boat for the Legion. After the war that the pacifists prepared with their activism, Iara Lee will say, in the manner of Leni Riefenstahl, to those who accuse her of compromising herself with terrorists, that she has always been apolitical, that she didn’t know anything, that she never understood a word of Arabic, that she was only an innocent artist.

* Now, Voyager (EUA, 1942), by Irving Rapper, with Bette Davis. A woman leaves the Hospice to remake herself embarking on a journey by ship. Romantic, she falls in love with another passenger – a married man. During the trip she – seen as ugly – become beautiful and desirable, living the adventure of her life.

by LUIZ NAZARIO. Translation: FERNANDA DA ROZ *

* FERNANDA DA ROZ é uma artista da fotografia, que  busca pontos de vista inesperados do cotidiano e de seu próprio corpo: seus retratos e auto-retratos são de uma beleza intensa e delicada. Vale a pena passear por sua rica galeria no Flickr – com mais de mil uploads! Em defesa instintiva e visceral de Israel, Fernanda Da Roz acabou descobrindo este blog, divulgando-o em seus espaços virtuais – onde agora nos resta combater na solidão contra os moinhos de vento da propaganda…

Anúncios

A LENI RIEFENSTHAL DOS OPRIMIDOS

A mais célebre cineasta contemporânea, a brasileira coreana norte-americana Iara Lee, autora de dois documentários independentes: Synthetic Pleasures (1995) e Modulations (1998), e de meia dúzia de curtas mais obscuros, foi à sede da ONU, em Nova York, mostrar as imagens do vídeo que editou sobre o ataque israelense ao barco pirata Mavi Marmara, legitimamente interceptado ao tentar furar o bloqueio israelense que impede o transporte de armas para Gaza.

Não se trata de uma inocente útil usada por terroristas, mas, como Leni Riefenstahl, de uma artista livre engajada numa causa: em 2003, Iara Lee foi deportada da fronteira com a Jordânia, onde agitava. Em 2004, foi detida em Tel Aviv, onde agitava, e deportada. Em 2006, morando e agitando no Líbano, foi outra vez presa e deportada de Israel. Ao agitar agora na Mavi Marmara, Iara foi deportada de Israel pela quarta vez…  “Trabalho com os palestinos de forma incipiente”, ela declarou ao Terra: imaginem se trabalhasse de forma não-incipiente (seja lá o que ela queira dizer com isso).

A ativista Audrey Bromso também declarou à CNN turca que os barcos levavam mais que ajuda humanitária – permitida por Israel. A “Flotilha da Liberdade” levaria, segundo seu depoimento, casas pré-fabricadas e cimento, que ela chamou de ajuda de reconstrução. Ora, é largamente sabido que Israel proíbe a entrada de cimento na Faixa de Gaza para evitar a construção de túneis de contrabando de armas. Com essa proibição conseguiu evitar até agora ataques à população israelense, numa trégua com os palestinos, que os pacifistas desejam romper com o fim do bloqueio.

Engajada nessa causa pacifista, impaciente pela eclosão de uma nova guerra entre israelenses e palestinos, Iara Lee mostrou à ONU sua edição de 60 minutos dos 90 minutos de imagens gravadas dentro do barco por um cinegrafista sérvio, que, apesar de ter feito todo o trabalho, permanece sem crédito – mas Leni Riefenstahl fazia o mesmo, assumindo como seu o trabalho de dezenas de cinegrafistas contratados por sua produtora.

As cenas mostram ativistas com coletes e máscaras contra gás rezando a Alá e preparando-se para um confronto com soldados judeus. Um esquadrão de comunicadores fanáticos, equipados com computadores e câmaras de última geração – não custa lembrar que Iara Lee avaliou seu equipamento perdido em 15o mil dólares – transmitem mundo afora a mais infernal propaganda palestina. Quando os barcos israelenses chegam, ouvem-se tiros.

Rastros de sangue escorrem pela parede do andar de cima para o de baixo, onde o cinegrafista faz, de modo seguro, seus ousados registros. Um helicóptero sobrevoa a embarcação. Os corajosos tripulantes, na mais patética imagem de toda a história das culturas de resistência, lançam, contra o helicóptero israelense, uns pedregulhos com seus estilingues. O helicóptero se afasta dessa Intifada. Vitória? Não, feridos são trazidos para baixo. Soldados correm e gritam, enquanto o alarme do barco dispara. Os ativistas acabaram presos, mas isso o vídeo já não pode registrar.

Por alguma razão, a edição de Iara Lee suprime desse chamado material bruto (mas bem selecionado) os linchamentos dos primeiros soldados judeus que desceram ao barco. Os eventos registrados na sua edição capciosa decorreram após aquelas agressões. O vídeo mostra apenas a chegada do reforço  àqueles primeiros soldados judeus. Tampouco mostra o confronto entre os pacifistas armados e os soldados, que resultou em 9 mortes e dezenas de feridos. Ela mesma admitiu: “Eu só tenho uma geral, não tenho os close-ups dos caras assassinando a gente.”. Essa declaração ela fez, evidentemente, pouco depois de ter sido assassinada.

Impossível saber se no material suprimido da edição de Iara Lee havia registros das ações dos linchadores que espancaram e esfaquearam aqueles primeiros soldados. Neste caso, ela não precisou fazer como a Reuters, que suprimiu das fotos turcas, com um programa de Photoshop, as manchas de sangue do soldado judeu esfaqueado, assim como a faca de caça segurada por um dos pacifistas humanitários da Mavi Marmara: bastou a Iara suprimir de sua edição meia hora de imagens gravadas.

Como os soldados israelenses foram recebidos a tiros (dos revólveres roubados aos primeiros soldados que eles conseguiram derrubar com socos, pontapés, pauladas e golpes de barras de ferro), paira a dúvida sobre a origem dos disparos. As imagens tampouco esclarecem a quem pertence o sangue que escorre da parede: se dos ativistas que atiravam nos soldados ou dos soldados israelenses feridos – um deles com seis tiros no peito.

Assim, os votos de Iara Lee de que seu material sirva para a ONU conduzir uma investigação internacional e para seus advogados da ONG Cultures of Resistence processarem os responsáveis pelo ataque parecem vãos. Mais sucesso ela terá com seu novo projeto pacifista: organizar a partir do Brasil um novo barco, só com brasileiros, para integrar nova frota humanitária internacional, agora com 50 naves suicidas rumo a Gaza. Não bastou um Mavi Marmara: agora serão 50 barcos do inferno!

Em sua Aula, Roland Barthes escreveu:

A ‘inocência’ moderna fala do poder como se ele fosse um: de um lado, aqueles que o têm, de outro, os que não o têm; acreditamos que o poder fosse um objeto exemplarmente político; acreditamos agora que é também um objeto ideológico, que ele se insinua nos lugares onde não o ouvíamos de início, nas instituições, nos ensinos, mas em suma que ele é sempre uno. No entanto, e se o poder fosse plural, como os demônios? ‘Meu nome é Legião’, poderia ele dizer: por toda parte, de todos os lados, chefes, aparelhos, maciços ou minúsculos, grupos de opressão ou de pressão: por toda parte, vozes “autorizadas”, que se autorizam a fazer ouvir o discurso de todo poder: o discurso da arrogância.

Sempre agitando em nome da paz e da justiça, sempre usando um país diferente como base, sempre boiando na superfície, Iara Lee é mesmo um azougue:

Eu nasci no Brasil, morei nos Estados Unidos, na Tunísia, no Líbano, na Coreia, em Paris. A cada ano eu tento usar um país diferente como base, para poder entender um pouco o mundo de uma maneira mais direta. Através da Fundação Caipirinha [sua produtora nos EUA], eu uso a criatividade para promover a paz e a justiça.

Encantada com a liderança do  Hamas, Iara Lee assumiu, na luta dos oprimidos de Gaza, seu destino de cineasta oficial da Esquerda Nazista: de estranha passageira*, foi promovida a organizadora do barco brasileiro da Legião. Depois da guerra que os pacifistas preparam com seu ativismo, Iara Lee dirá, à maneira de Leni Riefenstahl, aos que a acusarem pelos seus compromissos com terroristas, que sempre foi apolítica, que não sabia de nada, que não entendia uma palavra de árabe, que era uma artista inocente.

* Now, Voyager (A estranha passageira, EUA, 1942). Direção: Irving Rapper. Com Bette Davis. Uma mulher (Davis) sai do hospício para refazer-se empreendendo uma viagem de navio. Romântica, apaixona-se por outro passageiro – um homem casado. Durante a viagem ela – tida por feiosa – torna-se bela e desejada, vivendo a aventura de sua vida.

REVISIONISMO BASTARDO EM TECNICOLOR

Que se poderia esperar quando um Quentin Tarantino encena uma fantasia antissemita disfarçada pelo antinazismo de um fictício grupo de “soldados judeus americanos conhecidos como Os bastardos” dispostos a degolar soldados alemães, no filme intitulado de modo propositadamente errado Inglourious Basterds (2009)? Mais um hediondo filme revisionista invertendo papéis, mostrando os judeus como carniceiros sádicos e os nazistas como vítimas de terroristas. A Vanity Fair publicou stills do filme que “surgem com todo o glamour das produções antigas e dos astros de Hollywood” (Notícias da Rua Judaica, 19/04/2009), tornando a carniçaria que os cartazes não disfarçam mais palatável ao público fashion. Mas a imagem que ilustra a matéria mostra um judeu carniceiro escolhendo as armas mais afiadas para cometer seus escalpos, à maneira das tão vulgares caricaturas de “Fips” para o jornal nazista Der Stürmer:

Judeu como carniceiro de nazistas em "Inglourious Bastards".
Judeu como carniceiro de nazistas em Inglourious Bastards.
Judeus como carniceiros de anjos loiros no jornal nazista "Der Stürmer".
Judeus como carniceiros de anjos loiros em Der Stürmer.

Claro que, para efeito de bilheteria, os judeus do filme de Tarantino são mais bonitos, e é o galã Brad Pitt quem interpreta o tenente americano Aldo Raine que os organiza. Esse não é exatamente um “caçador de nazistas” como o feioso Simon Wiesenthal, mas um charmant torturador cujo objetivo não é tanto combater o nazismo quanto opor ao nazismo alemão um nazismo judeu capaz de apavorar até Adolf Hitler: “Membros do Partido Nacional-socialista conquistaram a Europa para assassinar, torturar, intimidar, e aterrorizar. E isso é exatamente o que nós vamos fazer a eles. Seremos cruéis com os alemães e através de nossa crueldade eles saberão quem somos nós. Eles encontrarão a evidência de nossa crueldade nos corpos destroçados, desmembrados, desfigurados de seus irmãos que deixaremos para trás e os alemães […] terão medo de nós. Nazistas não têm humanidade! Eles precisam ser destruídos. Cada um dos homens sob o meu comando deve-me cem escalpos nazistas… E eu quero os meus escalpos!” (trailer do filme).

Num mundo que assume descaradamente seu anti-semitismo comparando judeus a nazistas, não mais somente nas mídias islamitas, neo-stalinistas, neonazistas, mas até nas mídias liberais, esse novo blockbuster de Hollywood reforça para o grande público o conceito que hoje se espalha em meio aos conflitos no Oriente Médio, fazendo dos judeus não apenas os novos nazistas, mas os piores nazistas.

Bastardos inglórios é, pois, um filme detestável. Seu humor é sádico e grotesco; sua violência, vulgar e grosseira, caracteriza um típico pastelão de sangue; os diálogos são perfeitos para imbecis que se acham inteligentes sacando a “inteligência dos diálogos”. Um verdadeiro lixo. As referências ao cinema nazista podem parecer profundas para quem não conhece o cinema nazista, mas é fácil para quem o conhece perceber os buracos.

Georg Wilhelm Pabst, por exemplo, é citado com admiração, pois Tarantino só deve conhecer a fase alemã muda e a fase francesa dele, não a fase nazista (Komödianten, Paracelsus, Der Fall Molander). Assim, ele critica a Riefenstahl, mas preserva o Pabst, anunciado “sem necessidade” (como nota o jovem soldado Zoller) no cartaz de Pitz Palü, que não foi produzido na Alemanha nazista, mas na República de Weimar.

Claro, uma “Semana Alemã” em uma sala de cinema de Paris sob a Ocupação poderia estar exibindo uma reprise. Mas por que não algum filme nazista de Veit Harlan ou Hans Steinhoff? Ah, sim, a dona do cinema, Shosanna Dreyfus (Mélanie Laurent), é uma jovem judia camponesa escapada de um massacre graças ao estranho “au revoir” do supostamente impiedoso “caçador de judeus”; ela chegou caminhando, ou sabe Deus como, do interior da França até a Paris ocupada, onde herdou legalmente, sabe Deus como, um cinema em plena Ocupação; e, claro, cinéfila inveterada, ela mantém um arquivo de filmes, de onde sacou esse velho filme, embora deteste Riefenstahl, exibindo Pitz Palü apenas como uma homenagem a Pabst…

Ora, precisamente nessa altura Pabst estava trabalhando na Alemanha nazista (ele devolveu ao governo francês, dois meses antes da declaração de guerra, uma medalha da Legião de Honra que ganhara, e com a eclosão da guerra, em 1939, ele retornou à Áustria, de onde seguiu para a Alemanha para realizar filmes de propaganda nazista a convite de Goebbels, ajudando, inclusive, a Riefenstahl – que a jovem judia camponesa proprietária de cinema e cinéfila inveterada detesta – na direção de algumas cenas em que ela atuava em seu Tiefland

Em certa cena, uma canção cantada por Zarah Leander é ouvida ao fundo, mas o nome da maior diva nazista não é mencionado, apenas o da secundária Brigitte Fossey e da veterana Pola Negri (personagens no jogo de adivinha) e o de Lilian Harvey (inglesa que após trabalhar em alguns filmes nazistas imigrou para os EUA, onde não fez sucesso; o Goebbels de Tarantino fica furioso no cinema quando lembram o nome dela).

Já a estrela nazista Bridget von Hammersmark (Diane Kruger), que ajuda os Bastardos, parece vagamente inspirada em Olga Tchekova (que espionava para o NKVD, diretamente subordinada a Lavrentiy Beria, segundo a recente biografia escrita por Antony Beevor, que também revela o trabalho de espionagem para os soviéticos de Zarah Leander, subordinada a Zoia Ribkina) e em Renate Müller (que tinha um amante judeu na Inglaterra, para onde escapava às escondidas, e que acabou sendo “suicidada” pela Gestapo).

De qualquer forma, as referências ao cinema nazista são sempre vagas e imprecisas – como a súbita irrupção de um nada parecido Emil Jannings na seqüência da estréia de O orgulho da nação… Na crônica “Bastardos gloriosos” (Folha de S. Paulo, 13/10/2009), João Pereira Coutinho perguntou: “Vocês, caros leitores, estão habituados a filmes sobre o Holocausto onde os judeus são meros carneiros nas matanças nazistas? Filmes de um sentimentalismo vulgar […]? [Em Bastardos inglórios] os judeus, agora, não são apenas vítimas; também são vingadores […]”. Ou seja, os filmes que tentaram apreender a verdade sobre o Holocausto, como Ostatni etap; Ulica Graniczna; Daleká cesta; Professor Mamlock; A orquestra de Auschwitz; Shoah; As 200 crianças do Dr. Korczak; A lista de Schindler, O pianista, etc. são “de um sentimentalismo vulgar” porque neles os judeus são vítimas… Quando não o foram?

O cronista e seus leitores preferem a “inversão de estereótipos” do Cirque de Soleil sangrento de Tarantino. Não percebem que o cineasta, sem qualquer cultura (ou, antes, formado pela subcultura de filmes de Kung Fu e Blaxploitation, com algumas doses da Nazi-exploitation que inclui títulos como Ilsa, She Wolf of the SS; La bestia in calore, L’ultima orgia del III Reich e Quel maledetto treno blindato, intitulado The Inglorious Bastards nos EUA, e cujo diretor, Enzo Castellari, interpreta um pequeno papel no filme de Tarantino) cai nos estereótipos mais antigos sobre os judeus: a gangue dos Bastardos – assim como a esquizofrênica Shosanna Dreyfus (nome escolhido a dedo) – são movidos pelo ódio vingativo como o Shylock de O mercador de Veneza, de William Shakespeare; o Judeu errante, de Eugène Sue; ou o Samuel Mayer do romance mediúnico A vingança do judeu, do “espírito” J. W. Rochester, revelando-se tão carniceiros quanto os “judeus” das caricaturas de Der Stürmer

No revisionismo dos trapalhões escalpeladores de Tarantino, os principais dirigentes nazistas, incluindo Joseph Goebbels (Sylvester Groth) e Adolf Hitler (Martin Wuttke), são mortos pelos judeus Bastardos. Todos são representados por atores tão pouco parecidos quanto o grotesco Winston Churchill caracterizado por Rod Taylor, escondido como uma aranha num canto de seu sombrio gabinete. E os judeus ainda são aí homens-bombas terroristas e massacradores de nazistas “indefesos” (eles incendeiam um cinema lotado e queimam vivos uns 400 nazistas desarmados na platéia).

É incrível como a sensibilidade do público deteriorou-se, a ponto de tantos acharem inteligente, divertido, excitante ver judeus arrancando a faca o couro cabeludo dos corpos de nazistas – o escalpe “apache” que, em 1975, Pier Paolo Pasolini associou para sempre aos torturadores fascistas de Salò… Há uma tendência moderna que consiste em saciar o sadismo das massas fascistóides contra os “vilões”. Tarantino radicaliza essa tendência, fazendo com que seus vilões nazistas sofram “como judeus” nas mãos de judeus que agem como os nazistas: supostamente bons, esses “heróis” podem praticar todo tipo de atrocidade contra os tradicionais “vilões”: escalpelamento, cremação massiva, estouro de crânios, etc.

Notável, nesse sentido, que o personagem de Brad Pitt, o Kapo americano não-judeu que organiza os Bastardos, nunca suje suas mãos, a não ser para marcar os nazistas. Ele encarrega os judeus de todo o trabalho sujo, eles é que têm de esmigalhar crânios e arrancar escalpos, supostamente se vingando, como um bando de cães, lobos ou ursos amestrados a serviço de seu “dono”. O Kapo Aldo Raine reserva-se apenas o privilégio de enfiar o dedo na ferida da estrela que trai os nazistas e de rabiscar a facão suásticas nas testas dos nazistas que deixa escapulir. E aí está mais uma ambigüidade do filme, pois ao mesmo tempo em que o personagem afirma que essa escarificação tornará os nazistas “visíveis” mesmo ao se livrarem de seus uniformes, o fato é que a escarificação de suásticas nas testas das vítimas é uma conhecida prática de gangues neonazistas.

Em resumo, no filme de “clichês trocados” de Tarantino, os verdadeiros nazistas são os judeus… A alcunha que o Coronel Hans Landa (Christoph Waltz) recebe, de “caçador de judeus”, é uma “indireta” dirigida ao “caçador de nazistas” Simon Wiesentahl. Com exceção do assassinato da família Dreyfus no começo do filme (seqüência copiada de A lista de Schindler, de Steven Spielberg, e de A lenda do cavaleiro sem cabeça, de Tim Burton), são sempre os judeus que trucidam, bombardeiam, metralham, cremam vivos, “tatuam” os inimigos na carne e queimam bens culturais – o auto-de-fé nazista de livros é aí transformado num judaico auto-de-fé de filmes.

Em “Tarantino Touch” (Folha de S. Paulo, 18/10/2009), Jorge Coli chegou a comparar Bastardos inglórios à magistral e sofisticada comédia antinazista Ser ou não ser, de Ernst Lubitch, e o “discurso vingador” de Shosanna ao emocionante discurso final de O grande ditador, de Charles Chaplin, com desvantagem para esse último: o discurso de Tarantino “nada tem do tom didático [de Chaplin]… é uma esplêndida apoteose feita com o prazer de filmar para o prazer de assistir”. Quer dizer que o grosseiro pastiche de Tarantino evocaria o Lubitch Touch e superaria a obra-prima de Chaplin? Quanta baboseira!

Sintomático que o ato final de barbárie da “heroína” vingadora tenha sido interpretado por diversos críticos como uma prova do grande “amor” que Tarantino dedicaria ao cinema. Estranho amor, que se demonstra queimando todo um acervo de películas em nitrato e explodindo uma bela sala de cinema, atribuindo esse “holocausto” a uma judia e a um negro… E depois Tarantino tem o desplante de ir a Israel mostrar seu filme, talvez esperando que o “exército nazista do Estado Judeu” (na visão dos novos antissemitas) se “reconheça” nos seus personagens, aplaudindo Bastados inglórios como as platéias alheias à História que gargalham nos cinemas multiplex que fedem a mofo e pipoca amanteigada…