LO SGUARDO DI MICHELANGELO

lo sguardo di michelangelo

Durante algumas semanas de 2004, a Basílica de San Pietro in Vincoli só abriu de manhã para visitação. As tardes foram reservadas para o nonagenário cineasta Michelangelo Antonioni rodar um documentário sobre o Moisés de Michelangelo. No filme de curta-metragem Lo sguardo di Michelangelo (O olhar de Michelangelo, 2004) o velho cineasta, três anos antes de morrer, “devora” sensualmente, com seus olhos e suas mãos, o grupo de estátuas criado por Michelangelo para o túmulo do Papa Júlio II.

É o autorretrato de um cineasta que não hesita em acariciar as formas perfeitas esculpidas no mármore pelo maior artista do Renascimento, como se assim exprimisse seu desejo quase sexual pela obra de arte, após o derrame que o deixou sem voz e parcialmente paralisado. Antonioni emerge das sombras e caminha com passos hesitantes em direção ao túmulo do Papa Júlio II, fixando seu olhar nos olhos mortos, cerrados, dessa figura triste, que o artista retratou amarfanhado no alto de sua própria tumba.

O velho Antonioni se emociona, impressionado com o olhar vivo do glorioso Moisés, igualmente idoso, mas pleno de força e beleza. É como se ele visse o Moisés de Michelangelo pela primeira vez, a partir da nova condição de velho cineasta, desprovido da agilidade e da energia de outrora: a partir de uma identidade de nomes artísticos e olhares vivos e mortos, Antonioni expõe, diante da obra-prima que só falta falar, sua própria dolorosa senilidade, como a esperar, um tanto ingenuamente talvez, uma última redenção através do Belo:

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: