BRASILEIROS DOENTIOS

Milhões de eleitores brasileiros queriam eleger um presidiário para a Presidência da República; os doentes petistas insistiram até o último minuto na inverossímil candidatura de Lula. Quando essa fantasia se mostrou totalmente inviável, partiram para o plano B, o candidato-tampão Fernando Haddad, que se apresenta com a máscara de Lula. Mas quem é o boneco de quem? Quem é o ventríloquo de quem?

Haddad-Lula. Foto de Ricardo Stuckert - Instituto Lula.

Haddad-Lula. Foto de Ricardo Stuckert – Instituto Lula.

Outros milhões de eleitores brasileiros querem eleger um candidato esfaqueado em situação periclitante; os doentes bolsominions não cogitam em montar outra chapa, não têm plano B, acreditam que o entubado vai se levantar para colocar a faixa presidencial. O acamado ganhou um hino místico-patético: “Capitão levanta-te”, do compositor e cantor venezuelano El Veneco, acompanhado de seu filho de voz irritante.

 

Bolsonaro teve alta da Unidade de Terapia Intensiva, mas ainda não pode sair do hospital. O “Mito” (na alucinação dos bolsominions) não vai caminhar sobre as águas depois da facada na barriga: ele só pode dar alguns passos de andador, com bolsa de fezes a tiracolo. Só sai do hospital em fins de setembro, se não piorar.

A eleição é dia 7 de outubro. Mesmo saindo do hospital, Bolsonaro não poderá circular por aí. Por isso seus filhos políticos assumiram o corpo-a-corpo da campanha, fazendo lives direto do hospital, enquanto o vice do candidato, general Mourão, e o “noivo” Paulo Guedes, prometido para o Ministério da Economia, se apresentavam em entrevistas.

Mas os tapa-buracos do candidato começaram a colocar as asinhas de fora e a bater cabeças com declarações inapropriadas e propostas contraditórias, para o desespero do candidato imobilizado, que ordenou que eles se calassem até entrarem num acordo. Bolsonaro fez então nova live hospitalar declarando: “Nunca me senti tão bem em minha vida”. Efeito da morfina?

Bolsonaro precisará de um mês ou dois de recuperação. E então entrará de novo na faca, para fechar a barriga e tirar a bolsa de fezes que terá de carregar até essa terceira cirurgia. Terá então que ficar mais um mês de cama até se recuperar, e só depois disso, se não houver complicações na terceira cirurgia, ele voltará a andar sozinho, de barriga fechada, sem bolsa de fezes a tiracolo.

A autoproclamada “missão divina” de Bolsonaro levou uma facada, dada por um crente esquerdista e antimaçônico que diz ter ouvido a voz de Deus. A Providência tem estranhos caminhos. O capitão não se levantará tão cedo, mesmo com todas as preces de seus seguidores fanáticos, com toda a ajuda de Deus ou do Diabo. Até quando os doentes bolsominions levarão adiante sua farsa de Bolsonaro Presidente?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: